quinta-feira, 11 de março de 2010

Avatar

Respiração; um fator decisivo para a saúde e o sucesso na ultramaratona

" Os pulmões estão de contínuo expelindo impurezas, e necessitam ser abastecidos com ar puro. O ar contaminado não proporciona a necessária provisão de oxigênio; o sangue passa ao cérebro a aos outros órgãos sem o elemento vitalizador. Daí a necessidade de perfeita ventilação.

Viver em ambientes fechados, mal arejados, onde o ar é sem vida e viciado, enfraquece todo o organismo. Este se torna particularmente sensível a influência do frio, e uma leve exposição leva à doença.Respirar o mesmo ar repetidamente, até que ele fique carregado de venenosos elementos expelidos pelos pulmões e poros é muito prejudicial à saúde.

Assim as impurezas são novamente levadas ao sangue.

Para possuir bom sangue é preciso respirar bem. Deve-se conceder aos pulmões a maior liberdade possível. Sua capacidade se desenvolve pela liberdade de ação, e diminui se eles são constrangidos e comprimidos. Daí os maus efeitos do hábito tão comum, especialmente em trabalhos sedentários, de ficar todo dobrado sobre a tarefa em mão.

A respiração superficial torna-se em breve um hábito, e os pulmões perdem a capacidade
de expansão. Idêntico efeito é produzido por qualquer constrição. Não se proporciona assim espaço suficiente à parte inferior do peito; os músculos abdominais, destinados a auxiliar na respiração, não desempenham plenamente seu papel, e os pulmões são restringidos em sua ação.
Assim é recebida insuficiente provisão de oxigênio. O sangue move-se lentamente. Os resíduos, matéria venenosa que devia ser expelida nas exalações dos pulmões, são retidos, e o sangue torna-se impuro.

Não somente os pulmões, mas o estômago, fígado e cérebro são afetados.A pele torna-se pálida, é retardada a digestão; o coração fica deprimido; o cérebro nublado; confusos os pensamentos; baixam sombras sobre o espírito; todo o organismo se torna deprimido
e inativo, especialmente suscetível à doença.

A inatividade é prolífera causa de moléstias. O exercício aviva e equilibra a circulação do sangue, mas na ociosidade o sangue não circula livremente, não ocorrem as mudanças que nele se operam, e são necessárias à vida e à saúde."

Este texto foi extraído do livro " A ciência do bom viver" de Ellen G. White, páginas 238 a 240, e coloca muito bem a importância da respiração para as pessoas de forma genérica, mas se tratando da respiração para um ultramaratonista é um fator de alto rendimento, a respiração em seu alto grau de eficiência, preserva o organismo, aumenta a resistência através da oxigenação dos músculos, aumentado assim o rendimento do atleta.

Tão facilmente é sentido isso em provas, tomamos como exemplo a subida e descida do Pico do Gavião, na ultramaratona BR135, é comum atletas sentirem na pele os efeitos da falta de oxigênio em função da altitude do lugar, é um comparativo interessante, porque é praticamente a mesma situação de ficar num ambiente fechado, quando se altera bruscamente este
ambiente o corpo sente e sofre até se adaptar ao esforço que o organismo despende com estas alterações.

Treinamentos para melhorar a respiração são de longe um ganho sensível em competição, pode ser responsável por percentuais que podem ser a diferença entre a vitória ou uma melhor colocação em prova. Se em uma ultramaratona o atleta ganhar 10 segundos por quilometro, trabalhando na respiração, em uma distância de 217km representa um ganho de aproximadamente 36 minutos, vai depender de cada atleta, alguns podem ganhar mais tempo, outros podem ganhar menos, cada caso é um caso.

Quando se busca o máximo, cada segundo conquistado a nosso favor é válido, e começar pela respiração é um passo muito correto e prudente, pois iniciando pela respiração outras melhorias no corpo serão sentidas.
Trabalhe sua respiração e cuide dela de forma correta ..com certeza você irá mais longe!!

1 comentários:

Luiz Lacerda disse...

ola.
sem duvida; a respiração e excencial para a vida de um atleta de ultramaratona.
busque um profissional de yoga para aprender de forma correta e economica a respiração.
grande abraço.
prof. luiz Lacerda